NOTÍCIAS WAVESCHECK MENU
Tecnologia espacial
Novidade nos foguetes
Por Redação Waves em 23/10/14
Norte-americanos Edison Conner e Parker Borneman criam prancha com tecnologia utilizada em indústrias aeroespaciais.
622x430
Nova tecnologia foi testada por surfistas profissionais que aprovaram o produto. Foto: Divulgação Varial Surfboards
 

Uma nova tecnologia prancha veio do espaço sideral. Ao utilizar a tecnologia das indústrias aeroespaciais e de esportes a motor, a Varial Surfboards pode ter criado um núcleo de espuma melhor e mais leve para as pranchas de surf. Nos últimos 50 anos, as pranchas "tradicionais" têm sido feitas de poliuretano (PU) e então coberta com resina de poliéster. Na última década, a única mudança foi a utilização de epóxi - uma espuma de poliestireno expandido (EPS) do núcleo é coberto com uma resina epoxi, um material mais duro do anteriormente utilizado na construção de barcos.

Mas ambas as tecnologias têm problemas ambientais e estruturais, com os processos de ser tóxico e conter placas, muitas vezes quebrando. Agora, os surfistas Edison Conner e Parker Borneman parecem ter encontrado uma solução. Eles são os cérebros por trás Varial e introduziram um novo núcleo de espuma, que não é uma variação da PU ou EPS, mas uma química totalmente nova para a indústria do surf com base em uma fórmula aeroespacial avançada.

Conner é um graduado da Universidade da Pensilvânia (EUA), com bacharelado em engenharia e mestre em engenharia mecânica pela UCLA. Antes de trabalhar Varial, Conner foi um engenheiro de foguetes SpaceX, empresa fundada por pelo empresário Elon Musk, que está trabalhando para um dia colonizar Marte. Enquanto estava lá, ele trabalhou em seu foguete Falcon 9 e no submarino Deepsea Challenger de James Cameron.

Frustrado com pranchas quebradas e um vazio de inovação tecnológica, ele se juntou com Borneman, pós-graduado em negócios e marketing da USC, para usar seus conhecimentos de outras indústrias para encontrar uma solução. "Buscamos materiais do núcleo de alto desempenho e baixo peso padrão para as indústrias aeroespacial e de esportes a motor. Adaptamos essas tecnologias para prancha de surf na concepção e construção", diz Conner.

Inicialmente, eles se concentraram no desenvolvimento de placas de favo de mel de alumínio, tecnologia que foi desenvolvida na corrida espacial para fazer peças mais leves e mais fortes do que nunca teria sido possível com madeira ou espuma. No entanto, mais testes provaram que esta espuma pode ser usada como um núcleo para a prancha. "O objetivo era fazer uma base pura e repetível para construir de tudo, tendo uma densidade uniforme ao longo do núcleo", disse Conner. "Não há necessidade de longarinas ou reforçadores, e mais importante, a espuma pode ser pode ser moldada com ferramentas atuais e envidraçada com resinas epóxi ou poliéster."

Os surfistas profissionais incluindo Danny Fuller, Tyler Gunter, e CJ Kanuha deram feedback positivo, e Kelly Slater testou uma prancha da Varial Snapper no início do ano. 

622x353
Kelly Slater testa foguetes em Snapper, Austrália. Pranchas Varial Surfboards. Foto: Divulgação Varial Surfboards
 
Veja também
MIT Point

MIT Point

Surfe em pauta na capital

Boiçucanga

Boiçucanga

Rip Curl celebra coleção

Instrutores de Surf e SUP

Instrutores de Surf e SUP

Curso realizado em Ubatuba (SP)

Transporte de prancha

Transporte de prancha

Abusos na mira

The Surfer

The Surfer

Game novo na área

Há Luz no Fim do Tubo

Há Luz no Fim do Tubo

Livro traz o lado espiritual

Desafio de Águas Frias

Desafio de Águas Frias

Silveira memorável

Piratas da Amazônia

Piratas da Amazônia

Prancha alivia o perrengue

Lukas Camargo

Lukas Camargo

Promessa de Matinhos (PR)

Loja Rip Curl

Loja Rip Curl

Medina atrai multidão

Gabriel Medina

Gabriel Medina

Top recebe fãs

Leo Casal

Leo Casal

Intensivo nas direitas

Rodrigo Baby

Rodrigo Baby

Descanse em paz

Caraguatatuba

Caraguatatuba

Equipe Billabong na área

Italo e Jadson

Italo e Jadson

Autógrafos em Sampa

Anselmo Venansi

Anselmo Venansi

Fotógrafo ministra palestra