NOTÍCIAS WAVESCHECK MENU
Museu do surfe em Itanhaém
Joias preservadas
Por Mariana Marques de Almeida em 19/03/17
Colecionador de pranchas e caçador de histórias, surfista de Itanhaém sonha em montar museu.
Colecionador de pranchas e caçador de histórias, surfista de Itanhaém sonha em montar museu. Foto: Divulgação.
Colecionador de pranchas e caçador de histórias, surfista de Itanhaém sonha em montar museu. Foto: Divulgação.

Há 22 anos, o guarda-vidas temporário Cristian Carneiro Bernardo não imaginava que seu futuro estaria elencado ao surfe. Mesmo tendo nascido e criado em frente à praia, o verdadeiro caiçara não ansiava pelo esporte, gostava de andar de skate. De um conhecido ganhou sua primeira prancha, aos 16 anos, e decidiu se arriscar para descobrir essa tal “adrenalina” de quem desliza nas ondas.

 

Hoje, aos 38 anos, é apaixonado por surfe e coleciona pranchas que são verdadeiras jóias, atualmente 30, datadas a partir de 1960. Catalogar histórias virou seu grande hobby e montar um museu é o sonho que planeja concretizar em breve mas para isso esta em busca de patrocinadores e apoiadores.

 

Emparedadas a menos de 10 centímetros, umas ao lado das outras, as pranchas são etiquetadas e recebem tratamento especial das mãos de Cristian, que tem a incumbência de cuidar dos restauros e manutenção já que é profissional de fiberglass, especialidade de quem mexe com fibra de vibro e resina. Cristian ainda adquiriu a técnica de produzir quilhas, hoje utilizadas pelos surfistas profissionais Binho Nunes e Gustavinho Ribeiro, ambos de Itanhaém.

 

“Aprendi a fazer quilhas artesanais, elas são de encaixe, molde a vácuo, com fibra de carbono. Não quebram de jeito nenhum(risos). Por causa do custo, tive de criar uma automação ao meu modo”, explica. “As pranchas do acervo têm identidade, porque foram produzidas em outros países. Aqui, é possível encontrar pranchas da Califórnia, do Havaí, uma mistura de culturas”.

 

Guarda-vidas há nove anos, desde que descobriu a paixão pelo esporte, Cristian reserva parte das economias para ampliar o acervo. Mesmo em dias cansativos, o surfista não abre mão de “cair” no mar. Pelo menos três dias por semana. Indagado sobre a falta de tempo para a prática do esporte, a resposta está na ponta da língua.

 

“Sacrifico meu almoço por 30 minutos no mar. Quando não consigo, surfo no fim da tarde”, ressalta com brilho no olhar. A Praia dos Pescadores, também conhecida como Prainha, o píer de Mongaguá e a reserva ecológica Arpoador, em Peruíbe, são as prediletas. “Já fui para o Peru para surfar, mas adoro entrar na água em Itanhaém. Esta é minha casa, meu lar”, conta.


História por trás das pranchas - Pesquisadores defendem a ideia de que o surfe tenha surgido nas Ilhas Polinésias. No Havaí, por exemplo, o esporte tornou-se uma cultura, berço para surfistas em busca de ondas que, em ventos fortes, chegam até 21 metros de altura.

“Naquela época, uma prancha chegava a pesar 20 quilos, hoje tem cerca de 2 quilos. Antes, o trabalho era mais artesanal, hoje se uma pessoa quiser uma prancha igual a do Gabriel Medina, o computador consegue calcular precisamente o tamanho e os detalhes”, exemplifica Cristian.

Com o passar dos anos, as pranchas, que antes eram de madeira, foram ganhando flexibilidade com materiais mais leves. A monoquilha (uma quilha), biquilha (duas), triquilha (três) e quadriquilha (quatro) vieram para dar direcionamento, estabilidade e projeção.


O sonho de um Museu - Colecionador de pranchas e caçador de histórias, o surfista de Itanhaém sonha em montar um museu que faria parte da história do surfe mundial, já que, atualmente, seu acervo conta com pranchas da Califórnia, Havaí e Rio de Janeiro.

Há quatro anos, o sonho de montar um espaço dedicado ao surfe surgiu. No início a ideia era expor pranchas antigas, mas com o tempo o objetivo cresceu. Itanhaém é um celeiro do surfe. Profissionais reconhecidos saíram da cidade, o grande La Barre, a Família Pupo, Binho Nunes, sem falar da nova geração, que logo estará chamando atenção nas competições nacionais e mundiais, como Gustavinho Ribeiro, já profissional, Pamela Mel, Gabriel Benetton no wakeboard, e muito mais.

"A cidade merece um museu contando toda a história da origem do surfe por daqui. Itanhaém hoje é a cidade que mais cresce no litoral Sul, linda de natureza, receptiva, parte da história do país, que que é a segunda cidade mais antiga do Brasil", finaliza.

Veja também
San Mateo

San Mateo

Ondas proibidas

World Surf League

World Surf League

Novidade na rede social

Jurerê Internacional

Jurerê Internacional

Beach clubs sob ameaça

Califórnia

Califórnia

Wipeout leva à morte

Drop suicida

Drop suicida

As 10 mais fechadeiras

Instituto Gabriel Medina

Instituto Gabriel Medina

Trabalho reconhecido

Surf Ranch

Surf Ranch

Kelly libera a chave

Wave Giant

Wave Giant

Kymerson fecha patrocínio

Mundial de surfe adaptado

Mundial de surfe adaptado

Brasileiro compete no Havaí

Itamambuca

Itamambuca

Surf camp prepara o rip

Joseph Carr

Joseph Carr

WSL reforça o time

Pacaembu clássico

Pacaembu clássico

Sampa pode ter ondas

World Dog Championships

World Dog Championships

Caninos atacam a Califa (EUA)

Watermans Awards

Watermans Awards

ISA premiada nos EUA

Associação do Campeche

Associação do Campeche

Direção comemora um ano

Fibrose cística

Fibrose cística

Surfe é o melhor remédio