Guga Arruda
Rabeta larga e quad
Por Guga Arruda em 24/05/17
Guga Arruda fala sobre largura e corte de rabetas e exibe performance com quad rabetuda.

Há algum tempo venho acompanhando os cortes de rabeta feitos pelos shapers pelo mundo, ou seja, quando literalmente cerram as rabetas depois de prontas, encurtando as pranchas e naturalmente proporcionando rabetas mais largas e grossas. Entre essas se destacam as Mini Simons, as Al Merricks de Rob Machado e Dane Reynolds, entre muitas outras.


Na década de 90, tive uma maroleira mágica com a rabeta bem larga e a partir daí sempre simpatizei com as rabetas largas, que deixaram de ser tendência nos anos 2000. Até pouco tempo atrás, ao menos os surfistas de alta performance acreditavam que uma rabeta mais estreita proporcionaria manobras mais radicais na parte mais crítica das ondas. De fato as rabetas mais estreitas tendem a funcionar bem na parte cavada das ondas e as rabetas mais largas nas partes mais cheias, porém, o fato é que não surfamos apenas com a rabeta da prancha, mas com a prancha toda, e é por essa razão que sempre que generalizamos estamos errados. Apesar de a rabeta ser larga, ou não, ainda temos muitos outros fatores que influenciam na performance da prancha e se somam para gerar o resultado final.


Recentemente fiz uma maroleira, olhei o shape já usinado e me deu vontade de cortar uma rabeta larga, reta, square. A prancha terminou com 5'7'' e chamei de SK10, larguinha e grossinha, mas sem exagero. A rabeta larga me pareceu chamar quatro quilhas e creio que foi no posicionamento das quilhas, um pouco mais pra frente do que o normal, que a magia aconteceu. Para completar, construí a prancha sem longarina e com as bordas de carbono e o resultado foi uma prancha muito veloz, que anda até sem onda e que, para a minha surpresa, ataca a parte crítica das ondas com muita radicalidade e ainda funciona em ondas gordas, cavadas, pequenas e grandes.


No vídeo acima, você confere a performance de uma quad rabetuda que me surpreendeu pela versatilidade. Como sempre digo, nunca julgue uma prancha por um detalhe, porque todos os detalhes juntos, somados, farão a grande diferença num sistema de compensação que, quando bem usado, resultará em uma prancha equilibrada.

Veja também
FCS II FT

FCS II FT

Sensibilidade e controle

Powerlight Surfboards

Powerlight Surfboards

Segredos revelados

JJF Ghost Board

JJF Ghost Board

Redefinindo conceitos

Olho no equipamento

Olho no equipamento

Prancha certa

Conexão Havaí

Conexão Havaí

Aprendizado no North Shore

Lucas Chumbinho

Lucas Chumbinho

Gunzeira no pé

Pranchas e reflexões

Pranchas e reflexões

Parece, mas não é

Power Light e Daniel Friedmann

Power Light e Daniel Friedmann

Parceria de peso

Italo Ferreira

Italo Ferreira

Prancha nota 10

Fish Fry Floripa 2017

Fish Fry Floripa 2017

Celebração do surfe

Johnny Cabianca

Johnny Cabianca

Rabeta, para que te quero

Irmãos Campbell

Irmãos Campbell

Evolução das pranchas

Single fins

Single fins

Dificuldades deliciosas

Plumber

Plumber

Opção para as marolas

Guga Arruda

Guga Arruda

Em busca da prancha mágica