Shine XTR
Mudanças no trato
Por Edinho Leite em 01/02/17
Construção nada convencional gera resultados positivos em vários sentidos.
960x1280
Assim pode-se comparar. O mesmo modelo produzido com diferentes tecnologias. Victor Bernardo fez o test drive do Shine XTR e percebeu a diferença. Foto: Divulgação.

 

720x1280
A faixa azul, no lugar da longarina de madeira, é um EPS de diferente densidade. Esse tipo de construção vem sendo desenvolvido na XTR há tempos e agora ganhou o reforço da faixa de fibras distintas. Foto: Divulgação.

 

Kareca, da Shine Surfboards, é um dos melhores shapers do Brasil, mas sua preocupação com todos os componentes de suas pranchas sempre o motivou a pesquisar, desenvolver e testar coisas diferentes. 

É o caso da linha de pranchas com tecnologia XTR que ele lançou na primeira The Board Trader Show.

 

Desde então, os atuais modelos de pranchas disponibilizados pela Shine Surfboards podem ser encomendados com a mesma tecnologia de construção desenvolvida pelo Javier Huarcaya, que tem sido utilizada por várias marcas como Lost e Al Merrick, por exemplo.  

 

Por dentro - Se o shape parece normal, há o diferencial de ele ser esculpido em um tipo de Poliestireno estrudado - que não absorve água - e o trato com diferentes densidades desse XPS* para criar resistência e flexibilidade distintas e controladas. Isso faz com que a prancha tenha reações diferentes de uma "normal". Segundo Victor Bernardo, que surfa com as pranchas de Kareca, a prancha tem velocidade e resposta incríveis.

Além disso, essas pranchas não apresentam aquele problema do EPS tradicional, onde um pequeno furo no glass pode causar inundação e, se a prancha quebra, o surfe acabou.

Por fora - A laminação, feita com resina epóxi e diferentes fibras, também tem seus segredos, desenvolvidos em boa parte pelo brasileiro Nilton R. Gonhes, o "Pato", residente há décadas na Califórnia.

A diferença visível está nas faixas compostas por diferentes fibras dispostas no deck e bottom. As pranchas oferecem leveza, ótima resistência e mostram que duram muito mais do que as construídas com a fórmula PU/Poliéster.

 

Tudo isso vai de encontro à tendência de controle de flexibilidade e alternativas às tradicionais longarinas de madeira, especialmente em pranchas para ondas pequenas e médias.

Por conta dos materiais utilizados e do fato de serem trazidas da Califórnia, é claro, elas têm um valor de venda mais alto, além do tempo de espera. Mesmo assim, já há muita gente na fila.

*XPS é o nome do poliestireno extrudado. O EPS também é feito a partir de poliestireno, só que expandido.

 

853x1280
Victor Bernardo pisa forte. Mesmo assim, depois de bem usada na Califórnia e Brasil, a prancha continua íntegra. Foto: Divulgação.
Veja também
Millennium Foam

Millennium Foam

Produção a mil

Ralando a espuma

Ralando a espuma

Injeção de ânimo

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Harley-Davidson na feira

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Curadoria especializada

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Flutuar pousa na feira

Sonhos molhados

Sonhos molhados

Wet Dreams na área

Thule

Thule

Feira garante os racks

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Não morra na praia

Johnny Cabianca

Johnny Cabianca

Shaper desembarca no Brasil

Master of Shape

Master of Shape

Notícias do shape room

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Edgo na área

William Zimmermann

William Zimmermann

Inspiração salgada na TBTS

Powerlight

Powerlight

Novidades em série

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Mesquita mantém o brilho

Colete para tow-in

Colete para tow-in

À prova de bombas

MF Surfboards

MF Surfboards

Fanning na onda da soft