Slater Designs e Tomo Sci-Fi
Mais que ficção
Por Edinho Leite em 05/01/17
Parceria entre a Tomo Sci-Fi e a Slater Designs combina conceitos de hidrodinâmica para maximizar a planagem da prancha, mesmo em áreas mais flats das ondas.

Acima, um vídeo interessante. O guarda-vidas de San Diego, Ian Rotgans, não é excelente surfista, por isso nos dá uma ideia melhor do que funciona - ou nem tanto - na cada vez mais famosa Slater Designs / Tomo Sci-Fi.


A prancha - criada em parceria entre Daniel Thomson e o projeto Slater Designs, de Kelly Slater - combina conceitos de hidrodinâmica para maximizar a planagem da prancha, mesmo em áreas mais flats das ondas. Quase tudo nessa prancha é criado para dar mais "lift", aquela sensação de estar quase decolando, com pouco arrasto a diminuir a velocidade. Concave, double concave e canaletas.

1086x720
A prancha com cara de nave espacial é veloz e sensível, por isso requer habilidade para lidar com ela. Soltinha, pode gerar insegurança para quem ainda não crava as bordas com domínio de causa. Foto: Divulgação.

 

1497x766
Depois de quase quatro anos de seu surgimento, a tal da Sci-Fi parece ter tomado seu espaço. O problema é achar uma, ainda mais com suas medidas, por aqui. Foto: Divulgação.

Construída em EPS de alta densidade, a prancha tem uma tendência natural a ficar fora da água. Por isso tudo, conceberam aquelas canaletas na rabeta, que parece querer se agarrar na água. Pode-se chamar de bat tail. A ideia é dar mais controle nas manobras. A prancha não tem muito rocker de fundo, ou seja, é bem retinha. Seu outline paralelo cria uma aparência de prancha larga, mas, na verdade, ela até que é estreita para os padrões atuais. Uma 5'7" tem apenas 18 1/4 x 2 3/8, com 26.2 litros. Essas pranchas devem ser uns 3" menores do que sua prancha normal, com um quase nada de volume a mais.


A longarina de madeira foi substituída por outros materiais, do bico à rabeta, e ainda há outras fibras de carbono no glass para gerar a flexibilidade que buscavam.

Sim, ela é rápida, eletrica, viva e arisca. Acelera feito a peste e é muito sensível. Funciona de em ondas pequenas até um pouco acima da cabeça. Ou seja, pode ser uma ótima opção para a maioria dos picos do Brasil, na maior parte do tempo. Não é uma prancha para iniciantes. Seus padrões não convencionais, radicais até, acabam não permitindo muitos erros. Se pisar errado ou não acertar o ângulo da curva, rola capote.

973x636
Stu Kennedy venceu John John Florence nas quartas de final em Snapper (2016). A prancha ganhou fama. Alguém, além de Slater, mostrou que ela funciona. Foto: Divulgação.


 

Veja também
Millennium Foam

Millennium Foam

Produção a mil

Ralando a espuma

Ralando a espuma

Injeção de ânimo

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Harley-Davidson na feira

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Curadoria especializada

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Flutuar pousa na feira

Sonhos molhados

Sonhos molhados

Wet Dreams na área

Thule

Thule

Feira garante os racks

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Não morra na praia

Johnny Cabianca

Johnny Cabianca

Shaper desembarca no Brasil

Master of Shape

Master of Shape

Notícias do shape room

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Edgo na área

William Zimmermann

William Zimmermann

Inspiração salgada na TBTS

Powerlight

Powerlight

Novidades em série

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Mesquita mantém o brilho

Colete para tow-in

Colete para tow-in

À prova de bombas

MF Surfboards

MF Surfboards

Fanning na onda da soft