Dicas básicas
Quiver nosso de cada dia
Por Edinho Leite em 19/11/17
Edinho Leite explica como montar um quiver caseiro para as ondas do dia a dia.
1200x800
Modelo Fourtopus, da Shine Surfboards, segue a linha Mini Simmons em uma configuração mais performática, segundo Victor Bernardo. Foto: Daniel Cruz.

 

O termo quiver ainda tem muito a ver com diferentes tamanhos de pranchas, basicamente com o mesmo tipo de shape, para uma finalidade específica: potencializar desempenho competitivo.

 

Por isso as pranchas de um quiver como do John John Florence, por exemplo, é composto por pranchas muito parecidas umas com as outras ao olhar de um leigo.

 

Já um quiver, para quem quiser, além de bom desempenho, divertir-se sem compromisso em várias situações, é diferente.

 

851x577
O quiver de um profissional como Ian Gouveia conta com um tamanho variado de pranchas, mas todas são basicamente parecidas para produzir o mesmo tipo de surfe em ondas de tamanhos e formação diferentes. As três últimas, menores, são um exemplo de prancha para o dia a dia. Foto: Reprodução.

 

Vamos ao básico, que pode ganhar componentes conforme a vontade, possibilidade e versatilidade do usuário. Estamos falando de um quiver caseiro, do dia a dia, sem pensar em viagens para ondas completamente diversas daqui.

 

1 – Para começar, claro, aquela prancha que vai bem no mar que você surfa com mais frequência. Provavelmente uma triquilha, com opção para quadriquilha. Pode ser de Epoxy/EPS ou Poliéster/PU, com ou sem longarina, dependendo do gosto do freguês.

 

Essa é aquela prancha de “outline convencional”, que deve ser um pouco maior ou menor do que a estatura do dono. Rabeta a gosto. Ela vai funcionar na maior parte das ondas que você surfará pelo Brasil.

 

615x420
O “híbrido”, desenvolvido por Neco Carbone e New Advance para Chloé Calmon, é uma ótima opção de longboard versátil com espírito clássico. Foto: Divulgação.

 

400x600
Tiago Bulhões, geralmente longboarder, rendeu-se às atribuições de uma das fishes de Marcello Carneiro. Foto: Reprodução.
480x600
Essa é a cara de uma típica merrequeira com performance by Marcio Zouvi. Foto: Reprodução.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2 – Ainda pensando sobre desempenho vale ter uma segunda prancha um pouco maior, para ondas maiores, ou troque essa pela opção 3, já que, dependendo do seu perfil e da área onde você mora, você talvez precise mais de uma prancha para dias com ondas menores do que maiores.

 

A prancha que garante segurança em dias maiores é aquela mais esticadinha, com bico e rabeta mais estreitos do que a do dia a dia. Uma prancha de PU (poliuretano), longarina central, com um pouco mais de rocker de entrada e boa remada. Essa prancha pode ser um palmo ou mais maior do que você, normalmente de rabeta pin, round pin ou round squash.

 

483x600
Marcio Tuba exibiu na The Board Trader Show 2017 um dos modelos básicos da Sharp Eye para o dia a dia. Foto: Reprodução.

3 – Merrequeira Tipo A. Se você não é do tipo que gosta de diversificar as linhas de surfe, quer voar sobre o lip e continuar atacando as ondas verticalmente, mesmo que sejam bem menores do que você (covardia), o melhor é ter uma tri ou quad larguinha, com mais área de bico, mais reta (menos rocker de entrada e saída).

 

Essa prancha deve ter um pouco mais de volume, espessura na rabeta. Aliás, não se apegue à litragem, em ondas menores o volume é seu amigo. No caso de triquilhas vale lembrar que essa pode ir bem com uma quilha central menor.??

 

Tipo B. Biquilhas são muito divertidas e podem produzir velocidade mesmo em ondas mais fracas. Se surfar na borda terá linhas longas, se usar de fundo elas são soltas como o diabo e tendem a derrapar. Sim, as linhas traçadas serão diferentes, mas é justamente aí que mora a diversão, especialmente se você usar quilhas clássicas, tipo keel fins. Fishes e minisimmons são o principal nesse cardápio que te oferece ótima remada, com um outline largo, retas e com boa flutuação.

Lembre-se, essas pequenas pranchas, ali pela altura dos seus olhos ou menores, apesar de serem feitas para ondas pequenas, devem ter um certo peso. Acredite, a inércia gerada por ele ajuda a criar e manter velocidade.

 

4 – Longboard. Se você nunca surfou com um não sabe o que está perdendo. Um long oferece outro universo de diversão, mesmo em ondas em que as pranchinhas afundam ou se tornam instrumentos sem graça. Os tipos clássicos, mais retos, largos, super pesados e sem edge na rabeta, devem ser opção para quem já tem a manha ou está mesmo a fim de se dedicar à categoria.

 

Long performance, super leve, com muita curva de fundo, triquilha e fino fica para quem quer usar como se fosse pranchinha, em ondas maiores. Conclusão? Um long híbrido, que você pode usar como monoquilha ou quilha central com estabilizadores laterais. Esse tipo de long tem bom rocker de rabeta, com edge até a frente das quilhas laterais.

 

Não é tão largo quanto um clássico, nem tão leve quanto um performance. Use e abuse de toda a área oferecida, incluindo o bico. Seu estilo vai melhorar, assim como seu entendimento sobre curvas a fazer numa onda, com qualquer tipo de prancha.

Veja também
Alaias

Alaias

Remada na raça

Fu Wax

Fu Wax

Parafina invade J-Bay

Millennium Foam

Millennium Foam

Pranchões fortalecidos

Thule Store

Thule Store

Garrett prestigia abertura

Millennium Foam

Millennium Foam

Shaper aprova os blocos

Tri ou quadri?

Tri ou quadri?

O enigma das quilhas

Biquilhas Fish

Biquilhas Fish

Modelos em alta

John Carper

John Carper

Shaper visita o Brasil

Stinger

Stinger

A volta da rainha

Hurley Printing Press

Hurley Printing Press

Novidade bomba na feira

Millennium Foam

Millennium Foam

Edgo representa no Rio

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Evento consolidado

Chemistry Surfboards

Chemistry Surfboards

Feira dá retorno

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Palavras do bicampeão

The Board Trader Show

The Board Trader Show

Rodrigo Silva premiado