NOTÍCIAS WAVESCHECK MENU
Jacqueline Silva - Mix # 039
Por Fernando Iesca em 23/11/15
Campeã brasileira de 2015 fala sobre o título e manda playlist pra galera.
926x617
Jacqueline Silva ataca o lip com verticalidade. Foto: Rodrigo Amorim.

Trocamos uma ideia com a campeã brasileira de 2015, Jacqueline Silva, que falou sobre a importância do seu primeiro título nacional aos 36 de idade e de quebra mandou uma playlist exclusiva pros leitores do Waves. Confira a seguir!

Depois de muitos anos representando o Brasil no Circuito Mundial, finalmente você teve a oportunidade de disputar o título brasileiro e venceu logo na primeira tentativa. Conte-nos sobre esta experiência?

O título foi demais! Era um evento muito importante e desde quando soube que aconteceria, treinei muito. Cheguei quatro dias antes para treinar e a cada dia eu ganhava mais confiança. Graças a Deus consegui aplicar todo o treino e dedicação em cada bateria. Foi emocionante! Fazia tempo que eu não sentia esse gostinho de vitória. Numa fase de tantas dificuldades no surf feminino, já estou sem patrocínio há alguns anos e isso não me impediu de seguir em busca do que mais amo fazer. A prova de que tudo valeu a pena foi coroada com este título.

Playlist by Jacqueline Silva:

Aos 36 anos de idade você venceu um campeonato que une diversas gerações do surf brasileiro feminino. Como você enxerga esta vitória?

Acho que a experiência contou bastante, mas claro, cada bateria é uma bateria. Competi tanto contra atletas mais experientes, como contra algumas meninas da nova geração, mas isso não me tirou o foco. Treinei muito, estava com a prancha boa e me sentindo feliz. Fui fazendo as baterias, soltando meu surf e ganhando confiança até a bateria final, então consegui manter a tranquilidade e levar o título.

Qual foi a importância deste campeonato para o surf feminino?

O evento foi muito importante, porque reuniu novamente a mulherada, desde as mais novatas até as mais veteranas. Foi uma troca de experiências e aprendizado muito grande. Era visível a felicidade de todos que lá estavam, fossem competidores, familiares ou amigos. Foi demais!

Qual a relação entre a música e o surf na tua vida?

Algumas músicas me instigam para o surf. Cada atleta tem seu estilo musical favorito e a associação entre música e surf faz parte da vida e rotina de muitos atletas, que usam ela pra embalar os treinos e as competições.

Nunca fui de escutar música antes das baterias, gosto de ficar atenta ao que está acontecendo dentro da água e à minha volta nesses momentos.

Só escuto música no carro, quando estou indo para o surf ou algum compromisso. Costumo sintonizar nas rádios locais, mas gosto de tudo um pouco. Difícil citar só algumas músicas, porque são muitas, mas gosto muito de Dazaranha, Charlie Brown, Capital Inicial, Paralamas do Sucesso, Legião Urbana, Bob Marley, U2, Concrete Blonde, Tiesto, David Guetta e muitos outros. Meu estilos musicais preferidos são as eletrônicas e House Music.

960x540
Jacqueline Silva representou o Brasil durante anos na elite mundial do surf. Foto: Rodrigo Amorim.
Veja também
Lauro de Freitas

Lauro de Freitas

Música de peso na Bahia

Rock Station

Rock Station

Bad Religion toca em Sampa

Espaço das Américas

Espaço das Américas

Natiruts apresenta disco

Ilhabela in Jazz

Ilhabela in Jazz

Ritmo lava a alma

Ilhabela in Jazz

Ilhabela in Jazz

Música na faixa no litoral

O Ouvidente

O Ouvidente

Sessão nostálgica

Esdras Nogueira

Esdras Nogueira

Sax aguçado

Ilhabela in Jazz

Ilhabela in Jazz

Música rola solta

Na Positiva

Na Positiva

Natiruts solta a vibe

Dona Cislene

Dona Cislene

Show marcado em Sampa (SP)

Exército Delirante

Exército Delirante

Planta & Raiz lança álbum

Hip hop psicodélico

Hip hop psicodélico

Luiz Bruno estreia clipe

Ondas Sonoras

Ondas Sonoras

Engrennagem pilhada

Let’s Rock in Oz

Let’s Rock in Oz

Agito na faixa

Sugar Kane

Sugar Kane

Casa cheia em Sampa

Lost House

Lost House

QG movimentado