NOTÍCIAS WAVESCHECK MENU
Atrações em São Paulo
Por Nathalia Birkholz em 18/05/17
SP_Urban Digital Festival anuncia edição “cápsula” que acontece em quatro pontos da cidade de 17 de maio até 03 de junho.
700x400
Jogadoras do game arte “Street Crosser” se divertem na Galeria de Arte Digital SESI-SP. Foto: Divulgação.

 

A partir de 17 de maio até 03 de junho, o SP_Urban Digital Festival promove uma edição “cápsula” pela capital paulista e se une ao Maio Amarelo, movimento internacional de conscientização para a redução de acidentes de trânsito.

 

Sob o tema “mobilidade urbana”, a curadoria do SP_Urban irá espalhar obras de arte digital por quatro localizações na cidade de São Paulo. A estação República do metrô, a Avenida Paulista, a Rua Augusta e a Cinemateca Brasileira serão palcos para obras digitais visuais e interativas e performances multimídia.

 

Vale destacar a obra Street Crosser, dos artistas Noobware & Nutone (Colômbia, Venezuela, Panamá e Suécia), que fez enorme sucesso na Avenida Paulista em 2014, na segunda Mostra Play! – exposição de arte digital que transformou o edifício FIESP/SESI num enorme videogame interativo. A Street Crosser estará disponível para partidas com dois jogadores na área ação cultural do Metrô República e na Galeria de Arte Digital SESI-SP.

 

Na Rua Augusta, a ação tem como objetivo transformar dois campos cegos de edifícios (empenas) em janelas de processos culturais e tecnológicos. As projeções em grandes superfícies permitirão comunicar a uma quantidade massiva de pessoas. Serão transmitidas seis obras visuais do acervo do SP_Urban Digital Festival e três obras inéditas. Haverá também a transmissão de vinhetas que abordam de forma divertida questões importantes sobre a segurança no trânsito e dialogam com a arte digital.

 

O encerramento será dia 03 de junho na Cinemateca Brasileira, onde acontecerá a performance multimídia estereoscópica (com ilusões de ótica) do Vigas, uma performance de body mapping com Lia Paris e o VJ Spetto e atrações musicais com suporte visual sincronizado. A grande tela de cinema ao ar livre ainda receberá obras digitais e intervenções audiovisuais.

Apesar desta edição cápsula, o quinta edição SP_Urban Digital Festival, está confirmado para o final de 2017.

 

Serviços:

 

Onde: Estação República do Metrô – área cultural
Dias: 17 a 21 e 24 a 28 de maio (de quarta a domingo)
Horário: das 13h às 19h


Obra interativa: Street Crosser – 2 jogadores via mesa.
+ vinhetas SP_Urban x Maio Amarelo

Onde: Galeria de Arte Digital SESI-SP (Av. Paulista 1.313)
Dias: 19 a 31 de maio (exceto dia 22)
Horário: das 20h às 22h


Obra interativa: Street Crosser – 2 jogadores via tablet.

Onde: Rua Augusta (no nº 517 e na esquina com Matias Aires)
Dias: 19, 20, 26 e 27 de maio (sextas e sábados)
Horário: das 18h às 02h


Obras visuais: projeção audiovisual em empenas (fachadas laterais cegas das edificações)
+ vinhetas SP_Urban x Maio Amarelo

Onde: Cinemateca Brasileira (Largo Sen. Raul Cardoso, 207)
Dia: 03 de junho (sábado)
Horário: das 17h às 23h30


Programação:


17h Obras visuais
17h30 Show de abertura: banda Electrip
18h30 Obras visuais
18h50 Performance audiovisual: Lva Vermelha - Lia Paris + VJ Spetto
(inédita performance de body mapping e vídeo mapping sincronizados com a música de Lia)
19h10 Obras visuais
19h30 Performance audiovisual: Estereóptico 2.0 - Vigas
(espetáculo imersivo sensorial, combinando efeitos visuais de ilusão de ótica da estereoscopia, em perfeita sincronia com o áudio).
20h10 Obras visuais
20h30 Música e imagem: banda Autoramas + VJ Ligia Alonso
21h30 Obras visuais
22h Música e imagem: DJ Amanda Mussi + Vigas
23h Obras visuais

Sobre as obras digitais:


Obra interativa - Street Crosser - Noobware & Nutone

(Colômbia, Venezuela, Panamá e Suécia) 2014

Inspirada nos alarmantes índices de atropelamentos em São Paulo, Street Crosserestimula os jogadores a atravessarem uma avenida movimentada sem serem atingidos. Além de cruzarem a rua em segurança, eles também devem ajudar outros personagens do jogo a fazerem o mesmo. O game arte é uma crítica ao (péssimo) hábito de atravessar a rua fora da faixa de pedestres, como também à ausência de áreas seguras para cruzamento em determinados pontos da cidade. A obra faz uso de uma mecânica de jogo semelhante ao Frogger, clássico do Atari. Através de botões coloridos acoplados a uma mesa de acrílico ou de tablets, dois jogadores controlam um pedestre cada. A partida tem duração de 30 a 90 segundos.

 

600x550
Street Crosser. Foto: Divulgação.

  

Obras visuais - Transite! Coletivo Coletores (Brasil) 2017

 

Do verbo transitar e/ou um neologismo que mixa o prefixo trans (ir/para além) e site (sítio/local). A obra é o resultado de uma exploração iconográfica de imagens sobre fluxos e deslocamentos. Trata-se de uma ação que mapeia e recompõe, sob o prisma da arte digital, uma variedade de ícones que configuram o trânsito nas grandes metrópoles e insere em meio às representações urbanas tradicionais como carros, motos e veículos de tração animal, elementos que apresentam meios de transporte imaginados pelas utopias e distopias a partir do advento das tecnologias. Por meio de uma estética 8bit convida o público a repensar não apenas os meios de transporte, mas também a decodificar cada imagem apresentada.

900x506
Obras visuais. Foto: Divulgação.

 

Transtópico - Letícia RMS (Brasil) 2017

 

O vídeo explora a questão da mobilidade urbana sob a perspectiva das mulheres. Apesar delas representarem 55% dos usuários do transporte coletivo, possuem pouca ou nenhuma representatividade no processo de planejamento da cidade. Através de uma abordagem lúdica, a obra visual discorre sobre um sistema de transporte coletivo utópico, onde questões de gênero e a perspectiva das mulheres serão consideradas nos diversos processos de planejamento, garantindo assim a construção de cidades equitativas e seguras, impedindo - pelo menos no mundo fictício - que o medo da violência e do assédio afaste as mulheres do transporte público e impeça seu direto de ir e vir.

900x600
Transtópico. Foto: Divulgação.

 

Color Frequency 0.68 - Ligia Alonso - 2017


A vibração da cidade é emanada de formas e cores, que se misturam e se revelam num fluxo contraditório entre caos e ordem. Pelos seus caminhos percorrem informações, sensações e prazeres.

900x506
Color Frequency 0.68. Foto: Divulgação.

 

Mishap - United VJs (vários países) 2014

 

“Mishap” é um termo em inglês para designar “acidente infortúnio” conhecido pelo ditado popular you may be lucky and avoid any serius mishaps - você pode ter sorte e evitar acidentes de percurso graves. Produzido em qualidade 4K a obra possui imagens hipnotizantes de optical art e efeitos de animação gráfica elaborados, que chamam a atenção do espectador pela intensidade das cores e formas que redefinem a superfície “plana” de projeção. A trilha sonora em tom de narrativa contribui para enfatizar as sensações de viagem pelo inconsciente. De acordo com os criadores, a obra não é uma história de amor. “É sobre uma série de eventos de má sorte num curto período, em que não se pode fugir”.


 

Soporos - Luciana Nunes (Brasil) 2016

 

Tendo como ponto de partida a atmosfera contida na obra “As janelas” de Rainer Maria Rilke, a instalação visual tem como objetivo conduzir os espectadores pelas aberturas tangíveis e intangíveis que as janelas podem oferecer, retratando como vivem pessoas em grandes metrópoles. Usando a técnica de time lapse, cria-se uma realidade onde as imagens seguem o ritmo de uma grande cidade, onde, em meio ao caos, cenas cotidianas aparecem como um respiro. Através deste retrato, podemos imaginar histórias, sonhos e frustrações de personagens anônimos.

900x512
Soporos. Foto: Divulgação.

 

Pixels Vigilantes - Alberto Zanella (Brasil) 2016


E se a arte digital urbana invertesse seu papel? Ao invés de ser observada pelo cidadão, a obra faria um monitoramento do cidadão. Os “Pixels Vigilantes” cumprirão este desafio. A obra questiona o quanto somos monitorados pelas paredes e muros das metrópoles. O conteúdo é composto por imagens hackeadas de câmeras de segurança de São Paulo. A obra é pautada com dados reais sobre como estamos perdendo nossa privacidade. Sabia que um paulistano é filmado pelo menos 28 vezes por dia?

963x574
Pixels Vigilantes. Foto: Divulgação.

  

Respire - Maunto Nasci e Marina Rebouças (Brasil) 2016 e 2017


Todos os dias somos vítimas do estresse, da cobrança, de posts ininterruptos... Vivemos numa sociedade em que o excesso de estímulos é regra. A vida nas cidades é tão tumultuada que muitas vezes esquecemos do mais simples: a importância de se respirar. A obra é composta por uma sucessão acelerada imagens, sobreposição de efeitos visuais e frames da cultura pop massificada, gerando uma sensação de caos. Mas o final do vídeo é editado para causar sensação de alívio, enfatizando o poder que a respiração tem sobre o corpo humano.

900x600
Respire. Foto: Divulgação.

  

Desconstrução do Simples Desconstruído - Juli Finkler 2016


A obra remete aos elementos básicos do nosso cotidiano, que são tratados com descaso. Para isso, a artista gaúcha traça formas abstratas e coloridas do espaço urbano e sideral. A obra enfatiza o fato da tecnologia precisar chamar a atenção para a reflexão do uso excessivo das tecnologias, levando a não apreciação da noite, do ambiente ao redor e à perda de se aproveitar o tempo livre através do equilíbrio. A proposta é resgatar momentos simples da real beleza.

 

966x554
Desconstrução do Simples Desconstruído. Foto: Divulgação.

 

Histórias perdidas pela cidade - Bia Ferrer e Thomás Mena (Brasil) 2016

 

Projeto autobiográfico, um diário pessoal e ficcional da fotógrafa Bia Ferrer. São fragmentos de histórias reais e/ou ficções, fatos pessoais e de outras pessoas, conhecidas ou desconhecidas associadas a uma imagem. São histórias contadas via Instagram, postadas em sua maioria na madrugada, em momentos propícios a um diálogo. As imagens são memórias visuais criadas acerca de sensações, com referências ao amor, rejeição, solidão e sensualidade, sentimentos inerentes a qualquer ser humano.

 

600x326
Histórias perdidas pela cidade. Foto: Divulgação.

 

O Festival - Desde sua primeira edição em 2012, o SP_Urban visa expandir o conceito de arte ao estabelecer canais de tecnologia digital como partes integrantes da cidade. Sempre gratuito, o festival preza pela ocupação dos espaços públicos de forma inusitada, fomenta a reflexão sobre o ambiente urbano e destaca os talentos no campo das artes digitais e new media.

O festival incluiu São Paulo ao mapa mundial das cidades que integram media facade ao seu tecido urbano e foi o responsável por projetar a capital paulista na rota do Connecting Cities.

O SP_Urban foi criado pela produtora Verve Cultural em 2012 e funde arquitetura, arte e novas mídias. A Galeria de Arte Digital do SESI_SP (fachada LED Edifício FIESP) foi criada pela Verve Cultural especificamente para as primeiras edições do SP_Urban.

Veja também
Midnight Oil

Midnight Oil

Waves descola ingressos