NOTÍCIAS WAVESCHECK MENU
Bruno Tessari
Papo com o filmmaker
Por Luciano Burin em 02/05/17
Bruno Tessari fala de curta-metragens, música e inspirações.
640x640
Bruno Tessari, filmmaker, surfista e metaleiro. Foto: Marcelo Araújo.

 

Quem assiste às séries de surfe na TV certamente conhece o nome Bruno Tessari. Criado nas ondas com a talentosa turma de Balneário Camboriú (SC), Tessari construiu nos últimos anos uma sólida carreira filmando e editando diversas produções do Grupo Sal para o Canal Off - como as séries "Diário das Ilhas", "Brazilian Storm", "Hidrodinâmica" e "9 Pés" -, além de realizar também trabalhos de publicidade para marcas como Red Bull e Nike.

 

Com seu jeito simples, fala mansa e humor afiado, somado ao seu talento por trás das lentes, Tessari conquistou a amizade e a confiança dos principais surfistas profissionais do Brasil, e, nos últimos anos, vem produzindo uma série de perfis com esses atletas.

 

O resultado desse trabalho se revela em curta-metragens que invariavelmente reúnem alta qualidade de fotografia com ótimas trilhas sonoras - fruto do seu conhecimento e paixão pela música.

Em meio às constantes viagens e gravações, ele concedeu entrevista a Luciano Burin:

 

Como você desenvolveu a sua relação com o surfe e as artes, e como enxerga a ligação entre estas atividades?

 

Meu trabalho está diretamente relacionado ao surfe. Comecei quando tínhamos aquela vontade de se ver surfando, então, na época, eu, Pablo Aguiar, Mickey Bernardoni e Alan Fendrich vivíamos indo à praia com uma handcam e tripé dos mais simples possíveis, só para quebrar o galho mesmo. Era pura curtição. Com o tempo comecei a filmar os campeonatos locais, depois vieram os atletas e as marcas.

 

Seus projetos mais recentes giram em torno de curtas que trazem perfis individuais de surfistas profissionais. Conte um pouco sobre a produção destes trabalhos, a sua abordagem pessoal, o processo criativo e o grau de envolvimento dos surfistas na escolha do conteúdo.

 

Sim, os trabalhos que mais gosto de fazer são os curtas. Curto vivenciar e contar a história desses caras. Alguns têm muito conteúdo fora do surfe, muita história pra chegar até onde chegaram.


Tento passar ao menos uns 20 dias com o personagem, isso direto, sem pausa, assim consigo prestar atenção nos detalhes, manias e hobbies, aí fica mais fácil tudo acontecer, para o cara se soltar e esquecer que ali tem uma câmera.


A trilha sonora pra mim é 50% do filme, sempre fui muito ligado à música, tive banda por muitos anos e até hoje faço som todos os dias, então tento ver a pegada do atleta e fazer o som encaixar com seu estilo.

 

Como você enxerga a evolução das séries de TV e do material web ligado ao surfe que vem sendo produzido no Brasil e no mundo? O que te chama atenção em termos positivos e negativos?

 

Hoje, acho que a única emissora que está pagando pelas produções no Brasil é o Off, então não tem muito pra onde correr - se tratando de TV. A web cresceu muito. Acho que esses "Netflix da vida" podem ser uma boa saída. O surfe cresceu muito por aqui, mas quem está ganhando dinheiro mesmo é o Medina (risos).

 

Cite algumas das suas principais inspirações no universo das artes - dentro e fora do surfe.

No surfe, o Taylor Steele, desde que assisti ao Momentum 1, não deixei nenhum de seus filmes passarem em branco. Hoje, tem o Joe G, que faz filmes bem legais também. Fora do surfe tem os diretores de fotografia César Charlone e Matthew Libatique, que fizeram a fotografia de alguns dos filmes que mais gosto.

 

Se você tivesse uma verba ilimitada para produzir algum trabalho artístico ligado ao surfe, o que faria?

 

Com certeza chamaria alguns amigos filmmakers pra aproveitar isso junto, e tentaria explorar alguma onda nunca filmada e colocaria ao menos uns 10 dos melhores surfistas. Ao final da produção, todos os filmmakers teriam direito a um mês só surfando sem carregar uma pelican (risos).


Acho que contrataria alguém do tipo Metallica pra produzir a trilha, você falou verba ilimitada! (risos). Ah, detalhe, eu peguei onda com eles em Sunset. Fui obrigado a tietar na água.


Matéria originalmente publicada no blog Surf & Cult.

Veja também
Gerry Lopez

Gerry Lopez

Legend zen

Yago Dora

Yago Dora

Pé na elite

Lagoa Surfe Arte

Lagoa Surfe Arte

A grande sacada

José Eduardo

José Eduardo

No topo do Rio

Phil Rajzman

Phil Rajzman

Foco de campeão mundial

Cleiton Félix

Cleiton Félix

Volta por cima em Ubatuba (SP)

Tom Veiga

Tom Veiga

Das ondas para as telas

Kelly Slater

Kelly Slater

Momentos de reflexão

Chloé Calmon

Chloé Calmon

Focada na missão

Adriano de Souza

Adriano de Souza

Papo com o campeão

Margaret River

Margaret River

Papo com Mineiro

Gustavo Belloc

Gustavo Belloc

Desafios do mercado

Vitor Ferreira

Vitor Ferreira

Impressões do Sheraton

Rip Curl Grom Search

Rip Curl Grom Search

Papo com Medina

Christian Herzog

Christian Herzog

Olhar icônico