NOTÍCIAS WAVESCHECK MENU
Espêice Fia
Swell de gala na laje
Por Fábio Gouveia em 07/05/17
Fabio Gouveia e amigos investem em ondulação pesada na Laje de Jaguaruna.
Fabiano Tissot e Paulo Moura, Laje de Jaguaruna (SC). Foto: Luis Reis.
Fabiano Tissot e Paulo Moura, Laje de Jaguaruna (SC). Foto: Luis Reis.

Foram várias investidas nos últimos anos pra que eu visse a Laje da Jaguaruna funcionar de jeito. É tudo muito rápido quando Thiago Jacaré nos informa sobre o swell que chega com bom tamanho, ótimo período e ventos calmos. “Primão, a laje vai funcionar de gala nesse próximo swell”, disse ele em uma mensagem via zap zap.

Com o litoral catarinense bastante recortado, tendo assim uma grande quantidade de picos, fiquei me balançando e dividido entre pegar a laje e outras ondas que também não costumam quebrar com tanta frequência. Mas, aos 45 do segundo tempo, decidi pela laje em função da previsão de ventos fracos e pela possibilidade de estar perfeito, já que, por se tratar de uma onda a 5.1 km da costa, é sempre uma incógnita. Zarpei com Luciano Burin às 9:30h da noite e no meio do caminho fizemos uma paragem na BR-101, nas proximidades da praia do Sonho, para pegarmos o fotógrafo Luiz Reis.

Meia noite e meia já estávamos embaixo do cobertor e escutando o barulho das ondas, o que foi confirmado ao raiar do sol naquela sexta-feira (28/4). Como de praxe, a movimentação era grande na base da Atow Inj. Aliás, maior que o normal, umas 20 cabeças aprontavam-se rapidamente para adentrar ao beach break com series de 7 a 8 pés. Os jets já estavam preparados quando recebemos o aviso de que a embarcação que locamos, proveniente de Laguna, já está aportando no outside.

Varar o beach break da Jagua em dias grandes não é tão simples requer perícia dos pilotos dos jets. Adentrei com minha gun 10’4” no sled do legend João Capilé. O bicho acelerou bastante e quase solto as alças antes de chegar ao barco devido ao esforço físico. Bom, não estou tão preparado assim, mas o fato mostra o quão é puxado esse lance de onda grande envolvendo máquinas, gunzeiras, etc. Nem tinha chegado na laje e já estava cansado. E não apenas eu embarquei na lancha com esse relato, vários outros brothers também disseram. Lancha lotada, jets com suas duplas e partimos pro meio do mar.

No trajeto, já dava pra ver o tamanho da ondulação e a laje não parava de espumar. "Issa", essa empreitada vai se concretizar… Tão logo chegamos já pulamos do barco e começamos a remar. Fui na frente e logo Luciano Burin veio atrás. Paulo Moura, que já havia surfado algumas vezes na laje no passado, investiu nesse swell e também pulou na água. Aliás, mais dois nomes conhecidos do surfe catarinense e nacional estavam presentes: Marco Polo, em sua primeira empreitada, e Guilherme Ferreira. 

Ir pela primeira vez ao pico em condições excelentes é uma baita de uma sorte. Desfrutou dessa também o catarinense Vinícius Dos Santos e o gaúcho Lucas De Nardi, ambos recém-chegados de temporada havaiana. E a turma ia entrando com os locais João Baiuka e Fabiano Tissot, que estava munido de um SUP 11 pés. Aliás, esses dois, juntamente com Thiago Jacaré e André Paulista, são minhas referências neste pico. Nas vezes anteriores, procurei sempre prestar atenção no posicionamento dessa turma e acabei tendo finalmente o dia pra botar em prática esse aprendizado.

Alguns outros surfistas que conheci nessa session completaram o lineup na remada e algumas duplas de tow in ficaram se revezando. Jacaré puxou Luis Casagrande em algumas, Carlos Pirí puxou o enigmático Pepéu de Laguna em outras e Capilé… bom, não lembro quem ele rebocava, mas no momento em que Thiago Jacaré o puxou em algumas ondas, a regra era a seguinte: sai da frente, meu filho (risos)!

As séries estavam grandes, cerca de 8 a 10 pés com umas de 12 e outras maiores. O posicionamento era bem difícil, mas, pelo fato de ter uma galera no pico, dava pra se encontrar ao prestar bastante atenção, principalmente com a leve correnteza que nos tirava rumo ao norte. Tow e remada ao mesmo tempo é complicado, mas tínhamos preferência, e em alguma grandes que vieram, quem tava rebocado abria passagem. É bem verdade que houve situações de risco, mas em todas as vezes, com controle.

Tissot é sempre o último da fila, o mais deep possível. Quando ele rema com aquela jamanta, sai de baixo. O bicho veio em uma gigante, devia ter mais de 12 pés. Quando fez a curva na base, sua 11 pés pareceu até menor. Que visual, que adrenalina… Mais duas ondas grandes entraram e em uma delas foi Luciano Burin, com uma 9’6 que lhe emprestei. “Vai lá, fera. Essa aí tem 4 capas de fibra em cima e 4 embaixo. Pode botar pra baixo que é difícil quebrar ao meio”. E nessa ele se soltou na session até tomar uma série na cabeça e conhecer o power da Jagua. 

Esperei por um tempo, quando uma da série veio linda e grande. Apontei minha 10’4 pra beira e remei forte. Drop atrasado, brisa de terral na cara e adrenalina a mil. Completei o drop e ao contornar a parede dei mais outro drop. Que delícia, a ondulação de sul fizera a parede mais longa do que das outras vezes que havia ido ali. Escuto a galera vibrar e quando olho pra trás Paulo Moura vinha em uma bomba. E as séries nesse momento estavam constantes, tendo João Baikuka surfado uma atrás da outra. Ô bichinho pra ter gás! Pilha da bexiga! Marco Polo também desceu uma irada, assim como Lucas, e ambos voltam para o outside com um sorriso contagiante.

A turma posicionada clicando tudo. Os fotógrafos Lucas Barnis e Luiz Reis, do barco, e Rafa Shot do jet. E a cada momento iam revezando os ângulos. Para esse swell, o produtor Carlos Sanfelice mandou um enviado especial pra documentar. O videomaker Tessari gravava atento para o Canal Off e se mostrou à vontade, pois normalmente os marinheiros de primeira viagem ali enjoam demasiado quando expostos a longo períodos na embarcação. Se ficar ali já é difícil, imagine com um olho no view finder? Dá pra mim, não, prefiro mesmo é ficar na água.

A maior do dia devia ter uns 15 pés e todos tomaram. Ainda dei sorte de estar no rabo da onda e soltei a prancha apenas pra não correr o risco de voltar com o lip. Caramba, pura adrenalina, parecíamos estar no Hawaii. Nessa veio o João Capilé costurando a parede de forma brilhante. Aquele ali tem a manha. A esquerda estava de gala e por isso nem cogitamos a direita, que na real é mais adequada para o tow. Por lá, algumas duplas se revezavam: Arno Phelippe, Marcos Moraes e com certeza outros devem ter feito a mala também.

Havíamos entrado na água umas 9 da manhã, e na hora da pausa, próximo ao meio-dia, estava um espetáculo da natureza. Séries constantes levavam a galera ao delírio. Vários brothers que se revezavam nos swells com a equipe da Atow inj pegaram várias, infelizmente não decorei os nomes de todos, pois tudo foi muito intenso, mas aqui vão alguns: Vitor Ronsoni, Rafael Jeremias, Bernardo Mendonça, Fabio Mia e Gustavo Fabiano.

Como as ondas não paravam, voltei pro mar afim de aproveitar ao máximo. Thiago Jacaré se posiciona mais ao fundo e mais pro lado quando uma bomba vem. No momento que dropei, vi que não ia conseguir passar, quando Jacaré despenca a poucos metros à minha frente. O cara capota feio e depois vai até a lancha de apoio meio atordoado. Fabiano Tissot, que havia perdido o remo de seu SUP, foi pra remada. Uma gun 10’4 linda não resistiu à força da Jagua e partiu ao meio. Não sei com quem estava naquele momento, pois a rotatividade de equipamentos ali foi uma constante.

Vinicius dos Santos desce a sua grande e agradece muito pela oportunidade. Ô moleque sangue bom! Sãs e salvos, por volta das 15:30 rumamos de volta, até porque também alguns jets já estavam com gasolina na reserva. No beach break, as ondas continuavam grandes, e depois de colocar as máquinas nas carretas um churrasco preparado pelo fiel escudeiro da Atow Inj, “Gaivira”, já estava à espera. 

Pense numa turma alegre e feliz? Em meio a geladas e lascos de carne, a turma ia vendo imagens de outro fotografo que também estava na session, mas que infelizmente não também não lembro seu nome. Como disse, tudo foi muito intenso e num piscar de olhos já estava retornando à casa. O sono foi carregado de imagens e creio que todos tiveram a mesma sensação. Que dia, que session!

Agradecimentos à turma da Atow Inj que, também apoiada pelo Projectmorona, não cansa de incentivar o big surf . Até o próximo!

Veja também
Espêice Fia

Espêice Fia

Tour repentino na Europa

Espêice Fia

Espêice Fia

O outro lado da moeda

Espêice Fia

Espêice Fia

A primeira vez na Joaca

Espêice Fia

Espêice Fia

Barca do Fia

Espêice Fia

Espêice Fia

Swell bate com força

Espêice Fia

Espêice Fia

The Search House

Espêice Fia

Espêice Fia

Manhã no Cardoso

Espêice Fia

Espêice Fia

Quiver para viagem

Espêice Fia

Espêice Fia

Session na Laje

Espêice Fia

Espêice Fia

A evolução das gunzeiras

Espêice Fia

Espêice Fia

Formas e funções

Espêice Fia

Espêice Fia

Da pranchinha ao long

Espêice Fia

Espêice Fia

Paixão por foguetes

Espêice Fia

Espêice Fia

Temporada havaiana

Espêice Fia

Espêice Fia

Diversão em Mentawai