NOTÍCIAS WAVESCHECK MENU
Quilha afiada
Segredos da distribuição
Lohran Anguera Lima visita a sede da fabricante de quilhas FCS em Sand Diego, Califórnia.

 

Kelly Slater faz parte da equipe FCS. Foto: Divulgação.

Jonathan Launais, mais conhecido como Jon, carioca, residente há vários anos na California, mais precisamente em San Diego, é o pé do Brasil dentro de uma das mais bem sucedidas empresas de equipamentos para surf, a Fin Control System - FCS.

 

Com sede na Austrália, a FCS foi idealizada e desenvolvida em 1994, porém patenteada apenas no ano seguinte. Atualmente, é a empresa de maior sucesso e respeito quando o assunto é quilha. Não à toa, é de onde provém a maior parte do seu lucro anual, além de artigos como leashes e decks, os quais contribuem, significativamente, para a renda da empresa.

 

Certo. Mas onde entram San Diego e Jon nessa história toda?

 

Simples. Um dos motivos pelo grande sucesso da FCS é a descentralização, que otimiza a distribuição dos produtos e facilita o conhecimento logístico e a demanda da região atuante. San Diego foi escolhida como a sede da FCS nas Américas, e Jon Launais é, atualmente, representante de vendas na Surf Hardware International, empresa que detém, entre outros negócios, a FCS.

 

Hossegor, na França, é, por exemplo, a sede da FCS na Europa. Desta maneira, todos os produtos FCS encontrados nas três Américas passam por San Diego, e todos os compradores das três Américas fazem negócios com Jon.

 

A facilidade na distribuição dos produtos com essa descentralização torna-se tão evidente e impressionante que, se você estiver na California e realizar o pedido de algum produto FCS, recebe a entrega em sua casa em até 24 horas.

 

E foi nessa sede em San Diego que Jon me recebeu numa ensolarada manhã de sexta-feira. Passamos algumas horas juntos. Ele me mostrava os gigantescos estoques de quilhas que seriam encaminhadas aos mais diversos destinos nas Américas enquanto conversávamos sobre vários assuntos, desde sua graduação até o motivo do relativo insucesso de Kolohe Andino. 

 

 

Numa dessas, perguntei se a Dakine os incomodava. Sem titubear, Jon acertou com a cabeça e confirmou com palavras: “Incomoda muito!”.

 

Segundo ele, a Dakine é uma concorrente direta da FCS em relação às capas de prancha e às mochilas. Em relação às quilhas, por enquanto ninguém ameaça a FCS. A explicação assume extrema lógica quando tomamos consciência de que a Dakine foi adquirida pela gigante Billabong.

 

Assim, todo o processo de fabricação torna-se facilitado, principalmente as etapas de impressão e costura, haja vista a Billabong já possuir todos os equipamentos e conhecimento necessários para efetuar a atividade.

 

Assim, a FCS não mais concorreria com uma empresa de pequeno porte chamada Dakine, mas com uma companhia de grande porte chamada Billabong. Isso reduz, expressamente, as condições de expansão da FCS.

 

Não há possibilidade de altos investimentos nesses setores de concorrência “desleal” como o das mochilas e das capas de prancha, pois o risco de obter prejuízo é altíssimo. Com isso, a Dakine cresce a passos largos enquanto a FCS avança a passos médios.

 

Uma capa de prancha custa entre US$ 150 e US$  400, um jogo de quilhas entre US$ 50 e US$ 80. Perceptível a preocupação? Creio que sim.

 

Entretanto, de forma alguma isso significa que a FCS não tenta ingressar e brigar no mercado de artigos dos quais não detém a supremacia. Ela produz capas de prancha e mochilas, muito boas por sinal, porém não é um ataque avassalador ao mercado.

 

É algo comedido, pois se o novo negócio não der certo, não perde-se muito dinheiro. Se houver sucesso no novo negócio, pode-se investir mais. É assim que funciona, explicou Jon. Ainda assim, insisti na indagação: “E se não der certo, vale o dinheiro gasto? Não seria mais coerente manter o foco nas quilhas, já que é algo certo e garantido?”.

 

Jon encerrou minhas perguntas a respeito: “Esse dinheiro investido é muito pouco perto do lucro da FCS. Vale a pena o risco sim. Se não der certo, a gente nem sente financeiramente”.

 

Além disso, a FCS busca inovar e trazer melhorias nas suas já consagradas quilhas. O projeto Green Flex produz quilhas a partir de carpete. Quando questionado sobre o desempenho dessas quilhas em comparação às tradicionais, Jon afirmou não há diferença alguma. A propósito, nessa mesma sede de San Diego existe uma sala própria para testes.

 

Outra novidade que me foi apresentada consiste no novo sistema de encaixe de quilhas FCS. Esqueça, meu caro leitor, aqueles pequenos parafusos que sempre perdemos na hora de fixar as quilhas.

 

Um novo sistema de encaixe já está sendo usado, totalmente sem parafusos! Isso permite que você troque as quilhas com o seu amigo dentro do mar, proporcionando testar diferentes equipamentos, além de evitar a chata situação de ver sua prancha sem um copinho, arrancado juntamente com a quilha, depois de uma vaca.

 

Este sistema facilita a saída da quilha quando pressionada no sentido da rabeta em direção ao bico. Sim, você pode perder a quilha, mas não vai quebrar a prancha. E é só ir a qualquer loja de surf e pedir quilhas avulsas.

 

Muito provavelmente, o dono da loja terá um enorme saco com vários modelos, e é só você pegar a que precisa. Custo zero. Pelo menos na California é assim.

 

O sucesso mundial da FCS é inquestionável. É a marca número 1 quando tratamos de quilha. São vários modelos, cada um para determinado tipo de onda, para cada característica específica do surfista, para cada diferente objetivo a ser alcançado sobre a prancha.

 

A propósito, o time FCS é de causar medo e inveja a qualquer outra empresa que ouse fabricar quilhas. Nomes como Mick Fanning, Gabriel Medina, Julian Wilson, Adriano de Souza, CJ e Damien Hobgood compõem a equipe.

 

Mark Richards e Tom Carroll são embaixadores da marca. Apenas por curiosidade, os primeiros nomes, por serem atletas WCT, possuem carta branca com a FCS: se precisam de mais quilhas, quaisquer que sejam, basta enviar um e-mail com a solicitação; o mesmo acontece com qualquer outro artigo FCS.

 

No caso de eu não o ter convencido, caro internauta, sobre o poder e do sucesso da FCS perante o mundo do surf, sugiro uma visita à sede em San Diego. Jon, certamente, irá convencê-lo.

 

Lohran Anguera Lima é editor do blog Near the Ocean.


Veja também
JrFaria Surfboards

JrFaria Surfboards

Dividindo as experiências

Italo Ferreira

Italo Ferreira

Por dentro do quiver

Lift Foils

Lift Foils

Tapete mágico

TorFlex

TorFlex

O caminho da flexibilidade

Millennium Foam

Millennium Foam

Presença em Sampa

Mick Fanning

Mick Fanning

As quilhas do tricampeão

Controle e velocidade

Controle e velocidade

O fio da quilha

FCS II FT

FCS II FT

Sensibilidade e controle

Silverbay

Silverbay

Summer 2017/18

Fish Old School

Fish Old School

Clássico moderno

Millennium Foam

Millennium Foam

Vivência na Flórida

Roli Caballero

Roli Caballero

Trocando as quilhas

Powerlight Surfboards

Powerlight Surfboards

Segredos revelados

Surf Evolution

Surf Evolution

Tecnologia avançada

Arenque Surfboards

Arenque Surfboards

A nova geração de shapers

SRS Surfboards

SRS Surfboards

Escola australiana