Leitura de Onda

A onda misteriosa do Cassino

Por Tulio Brandão em 23/11/10

Tulio Brandão relata o mistério da praia do Cassino (RS), onde ocorrem tsunamis meteorológicos.

 

Praia do Cassino, local de misteriosos fenômenos marítmos no Rio Grande do Sul. Foto: Likoska/Gosurf.

Sou um apaixonado confesso por fenômenos da natureza. Boa parte de minha obsessão pelo surf deriva da onda, essa fantástica demonstração de vida que nos carrega.

 

Também gosto de ventos, chuvas, descargas elétricas. Caçaria tempestades, se um dia pudesse viver disso. Gasto horas no andar alto em que moro contando e explicando os relâmpagos às minhas filhas. Nosso laboratório é o conjunto de antenas do Sumaré, no Rio, que desintegra o mito de que um raio não cai no mesmo lugar duas vezes.

 

Terremotos, erupções de vulcões e tsunamis estão em outra escala, normalmente restrita às terras sobre o Anel de Fogo. Não à toa, fui parar em Asu, ilha perdida de Sumatra que se elevou três metros numa noite de 8,7 graus na escala Richter. A ideia de que o planeta Terra está vivo e em mutação é aterradora e fascinante.

 

A sensação se potencializa quando o fenômeno ocorre num lugar inesperado. Por isso, tomei um susto quando li no blog da designer gaúcha Roberta Martins que havia relatos de uma espécie de tsunami na praia do Cassino, no Rio Grande do Sul.

 

Ela escreveu em seu diário de viagem: "(A Praia do Cassino) tem tsunamis pequenos, tempestades de areia, e o clima pode mudar tão rapidamente que é muito provável que carros atolem ou sejam inundados se ficarem sozinhos e de repente o clima mudar. (...) Nunca presenciei uma tsunami, mas muitos contam já terem visto uma onda gigante se formar e quebrar na praia destruindo muitas coisas. Certa vez foi notícia que uma onda gigante invadiu mais de cinco quarteirões do balneário, sendo que a distância entre o mar e o início das casas é considerável".

 

Para endossar a história, recorri a amigos com casa naquele balneário, Fredinho e Rodrigo Schmidt. A misteriosa onda, contada pela avó, embalou os sonhos dos dois. “Ela sempre nos contou a história de uma onda, quando ela era bem nova, que veio espumando desde muito além da arrebentação e que, ao chegar na praia, varou a faixa de areia, onde hoje ficam carros e banhistas, causando o caos.

 

"A água subiu cerca de 200 metros além do normal”, contou Rodrigo, surfista e designer.

 

Mas a história do mistério da onda do Cassino não fechava com o que a ciência conhecia do fenômeno. Tsunamis, por definição, podem ser formadas por terremotos (caso mais freqüente), erupções vulcânicas (o exemplo mais conhecido é o do Krakatoa, em Java).

 

O Brasil não está na lista dos países especialmente expostos a tsunamis convencionais em sua costa. Para alguns autores, a expressão também pode ser usada para ondas geradas a partir de quedas de meteoritos – aí qualquer um está no alvo.

 

Dois anos atrás, escrevi um pequeno post sobre o assunto no meu blog e, entre os comentários, um chamou a atenção. Era do leitor Xavier Castello, que deu a pista que faltava para decifrar o mistério.

 

“Existe um tipo de tsunami meteorológico que, como o próprio nome diz, é causado por variações bruscas na atmosfera. Um deles atingiu a praia do Cassino alguns anos atrás. Um amigo meu estava na praia e teve a sua moto levada pelo avanço repentino do mar. Não deve ser a primeira vez que ocorre”.

 

Pesquisadores das universidades federais de Santa Catarina e do Rio Grande estudaram o fenômeno. Um estudo elaborado pelos pesquisadores Eloi Melo (fonte antiga dos tempos do Globo e responsável pelo sistema de previsão de ondas do Waves), Lauro Calliari, Davide Franco e João Strauch conjectura que os relatos do Cassino são de um tsunami meteorológico, “ondas com características similares a tsunamis comuns, mas que tem origem em efeitos meteorológicos”.

 

O fenômeno teria sido originado por variações da pressão atmosférica associadas à passagem de uma linha de instabilidade sobre a costa. A amplificação das ondas teria sido possível porque a praia do Cassino tem, nas palavras dos pesquisadores, “modos de vibração de suas águas semelhantes às das forçantes atmosféricas”.

 

O estudo cita referências de tsunamis meteorológicos em outras costas do mundo: Baía de Nagasaki, no Japão; Enseada de Longkou, na China; Ilhas Kuril do Sul, na Rússia; Costa Oeste da Sicília, na Itália; e Porto da Ciutadella, nas Ilhas Balleares (Espanha).

 

Para ilustrar o estudo – e ajudar a sepultar o mistério – os autores encontraram relatos significativos do fenômeno na edição de 9 de março de 1977 do jornal “Rio Grande”.

 

Diz a reportagem: “A água do mar se elevou a grande altura, e a onda veio correndo do oceano para a terra. Passou por cima de aproximadamente 14 automóveis que estavam na praia. Jogou um deles contra um trailer de cachorro-quente, que logo perdeu o equilíbrio e virou na praia. Alguns objetos que estavam no trailer, como garrafas, foram carregados pelas águas até os cômoros (dunas) de areia que ficam a uns 200 metros de distância em relação à linha de maré...”.

 

Clique aqui para ler mais sobre o tsunami meteorológico.

 

Tulio Brandão é colunista do site Waves, da Fluir e autor do blog Surfe Deluxe. Trabalhou três anos como repórter de esportes do Jornal do Brasil, nove como repórter de meio ambiente do Globo e hoje é gerente do núcleo de Sustentabilidade da Approach Comunicação.

 

 

Veja também
Leitura de Onda

Leitura de Onda

Milícias da água

Leitura da Onda

Leitura da Onda

O jovem Zico

Leitura de Onda

Leitura de Onda

Muitos surfistas, uma lição

Leitura de Onda

Leitura de Onda

Resistente ao tempo

Leitura de Onda

Leitura de Onda

As mais belas curvas

Leitura de Onda

Leitura de Onda

Do mesmo mundo

Leitura de Onda

Leitura de Onda

Detalhes que decidem

Leitura de Onda

Leitura de Onda

Um bilhão de toneladas

Leitura de Onda

Leitura de Onda

Salve Jordy

Leitura de Onda

Leitura de Onda

Os brutos também ganham

Leitura de Onda

Leitura de Onda

São Conrado imortal

Leitura de Onda

Leitura de Onda

Um grande ano